The impact of vermiculite residual fines in the rheological properties of cement pastes formulated with different waste contents

Autores: Rojas-Ramires R.A., Maciel, M. H., Romano, Roberto C. O., Pileggi, Rafael G., Vieira-Coelho, A. C.

Revista: Applied Clay Science (doi)

Disponível online: 30 de Janeiro de 2019

Resumo

No processamento industrial da vermiculita, é gerado um resíduo fino para o qual ainda não foi desenvolvida uma aplicação que permita seu uso em larga escala. A associação com o cimento Portland em composições de argamassa e concreto pode ser uma alternativa, devido à composição química da vermiculita com alta quantidade de alumínio, silício e magnésio, semelhante a outras adições usadas na substituição ao cimento Portland. No entanto, devido à alta área específica de vermiculita em comparação ao cimento, seu uso pode afetar as propriedades reológicas e a demanda de água, limitando sua aplicação. Este trabalho foi realizado com o objetivo de avaliar o impacto nas propriedades reológicas de pastas de cimento preparadas com substituição parcial do cimento Portland por
resíduos finos de vermiculita, tanto obtidos quanto calcinados. O teor de resíduos finos de vermiculita variou de 5 a 20%, e as composições foram submetidas a um teste de fluxo escalonado, com alterações na taxa de cisalhamento. Quase não houve alterações nas propriedades reológicas nas suspensões com 5% de substituição de cimento por finos de vermiculita. No entanto, quando mais de 10% de vermiculita foi usada, mudanças consideráveis ​​no fluxo foram observadas em função do teor de resíduos e da natureza da vermiculita (obtida ou calcinada). Os modelos YODEL e Interferência, baseados nas características físicas das partículas, foram aplicados para estimar a tensão de escoamento (YODEL) e a viscosidade (Interferência), e os resultados dos cálculos indicaram que houve uma boa correlação com os dados experimentais, indicando que o as propriedades reológicas das pastas estavam diretamente relacionadas às propriedades físicas das partículas.

Compartilhe este postEmail this to someone
email
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin

VOCÊ PODE GOSTAR ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *